Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Catenaccio

O Catenaccio

Num campeonato onde tantas vezes são as equipas “grandes” a ter as luzes da ribalta sobre si, vão brilhando também, em equipas de meio da tabela, jovens jogadores portugueses, que não foram apostas nos clubes onde se formaram e, por isso, procuraram espaço noutras paragens. Neste prisma, Filipe Soares e Rafael Barbosa são apenas dois dos muitos exemplos que poderia referir neste artigo, sendo parte de um grupo de jovens cujo talento não foi (nem é) reconhecido como devia.

Capa (MFC).jpg

Começando por Filipe Soares, o jovem médio que atualmente representa o Moreirense FC fez toda a sua formação no SL Benfica. Contudo, antes de fazer qualquer jogo pela equipa principal, foi vendido ao GD Estoril Praia, “passo atrás” na carreira que o motivou e o fez mostrar-se ao serviço dos “canarinhos” em 2017/18. Dada a boa época na equipa lisboeta (37 jogos e três golos), rapidamente captou a atenção dos responsáveis cónegos, que de pronto o levaram para o Minho. Aí, ao serviço do Moreirense, está agora a iniciar a segunda época com estatuto de titular, conquistado através da sua enorme qualidade de passe e que faz com que passe por ele parte do controlo das ações ofensivas da equipa de Ricardo Soares.

Já o outro atleta referido, Rafael Barbosa, é uma recente contratação do CD Tondela para a linha ofensiva. Com formação no outro “grande” lisboeta, o Sporting CP, também não teve oportunidade de se estrear na “equipa A” dos “leões”. Assim, após sucessivos empréstimos a CF União da Madeira, Portimonense SC, FC Paços de Ferreira e GD Estoril Praia, bem como algumas épocas nos “bês” do Sporting, desvinculou-se do emblema de Alvalade e rumou à Beira Alta. Com uma grande capacidade de criar espaços, ocupa muitas vezes terrenos interiores, não ficando “preso” à ala e utilizando a sua velocidade e técnica para criar combinações por dentro, o que desconstrói os blocos defensivos adversários.

Rosto (CDT).jpg

Para finalizar, deixo o exemplo de uma situação contrária, em que o clube formador apostou na “prata da casa”. O caso é o de Pedro Pelágio, jovem médio defensivo do CS Marítimo, que foi titular na primeira jornada do campeonato. Depois de ter efetuado 16 jogos na equipa principal maritimista durante a temporada transata, parece pronto para assumir um papel importante nas escolhas de Lito Vidigal, que quererá dar aos madeirenses uma época mais tranquila do que a que viveram em 2019/20.

O talento que existe no nosso campeonato é inegável e prova disso são os três jovens aqui elencados. Contudo, o que ainda é preciso esclarecer é que a qualidade vai muito além dos quatro ou cinco primeiros classificados da Primeira Liga. O nosso futebol tem qualidade e deve ser valorizado!

 

Fonte das imagens: Moreirense FC e CD Tondela

Redigido por: Alexandre Candeias

Pág. 1/10